Esgoto

 

Define-se como sistema de esgotos sanitários o conjunto de obras e instalações destinadas a propiciar a coleta, condução, condicionamento e tratamento quando necessário.

O sistema de esgotos sanitários da cidade de Pelotas foi projetado pelo engenheiro Alfredo Lisboa, do Rio de Janeiro, em 1910 e construído entre os anos de 1912 a 1916, uma segunda etapa foi construída de 1928 a 1930, e uma terceira etapa de 1950 a 1951. Em 1965 foram elaborados projetos de revisão e complementação das redes coletoras e elevatórias da Zona da Várzea e da Zona do Fragata, complementados em 1978 pelo projeto Baronesa.

O corpo receptor dos esgotos "in natura" da cidade de Pelotas é o canal São Gonçalo. A cidade situa-se em sua margem e os cursos de água que a cortam dirigem-se para este canal.

Em 2003 foi elaborado o novo Plano Diretor de Saneamento, contemplando soluções para o tratamento dos esgotos da zona central da Cidade e zona norte, bem como novos coletores em locais previstos como expansão. Inclui-se neste novo Plano, estudos sobre a coleta e tratamento de esgotos para a praia do Laranjal.

A conscientização da população também é importante para que as redes de esgoto não sejam entupidas com detritos que devem ser jogados no lixo (restos de comida, entulhos, preservativos, absorventes, etc), nem com detritos provenientes da falta de higiene, como os da falta de limpeza da caixa de gordura.

A rede coleta de esgotos conta atualmente com 377.353 km de rede(dez. 09), e 62.606 economias(out. 09)ligadas a rede de esgoto, servindo a aproximadamente 67% das residencias. O sistema de esgoto sanitário conta:

Fossas sépticas e Sumidouros

São unidades de tratamento primário de esgotos, onde há separação da fração sólida ou líquida, acumulando sólidos e digerindo limitadamente a matéria orgânica. Os efluentes juntam-se as demais águas servidas e são despejados em águas de rios de pequena capacidade que desembocam no São Gonçalo.