Água no mundo

 

Quantidade de água existente no planeta Terra

  • 1.600.000.000 de Km³
  • 1.350.000.000 de Km³ de água saudável
  • 29.000.000 de Km³ de água doce nas geleiras e calotas polares
  • 8.600.000 de Km³ de água doce nos continentes e sob eles
  • 13.000 de Km³ na forma de vapor de água na atmosfera

Divisão da água no mundo

Salgada Doce
97% - salgada está nos mares e oceano 3%
75% - congelada nas calotas polares e geleiras
13.785% - no subsolo entre 3750m e 750 m (lençóis profundos)
10,79% - no subsolo acima de 750 m (lençóis superficiais)
3% - água doce 0,3% em lagos e lagoas
0,03% - rios
0,06% - na umidade do solo
0,035% - na atmosfera em vapor d'água.

Divisão da água no Brasil

O Brasil é um país privilegiado, pois aqui se encontra o maior rio do mundo - o Amazonas - e parte do maior reservatório de água subterrânea do planeta - o Sistema Aqüífero Guarani.

No entanto, essa água está mal distribuída, pois há apenas 3% da água para o Nordeste. Em Pernambuco existem apenas 1320 litros de água ao ano por habitante e no Distrito Federal essa média é de 1700 litros, quando o recomendado é 2000 litros(www.ibama.gov.br). Em Pelotas, a média de consumo mensal por habitante (habitantes/água produzida) é de 4000 a 5000 litros.

O Brasil, não chega nem próximo a situação de países como o Egito, África do Sul, Israel, Índia entre outros, onde os problemas com recursos hídricos chegam a níveis críticos. Na Arábia Saudita, preve-se um esgotamento das reservas em 50 anos. O Japão já importa água doce. Nos Estados Unidos as torneiras e chuveiros só podem liberar até 9,5 litros de água por minuto, e as descargas não devem gastar mais do que seis litros a cada vez.

Pesquisas mostram que a demanda mundial de água aumentou 6 ou 7 vezes nos últimos dez anos, o que equivale mais que o dobro da taxa de crescimento demográfico.

No Brasil, a rede pública desperdiça até 40% da água tratada, com vazamentos nas canalizaçoes.

Usos da água

A utilização da água pelo homem depende da sua disponibilidade, da realidade sócio econômica e cultural, das formas de captação, tratamento e distribuição. Os principais usos da água são:

Abastecimento Público - o uso mais nobre da água, subdividido em uso doméstico (fonte de vida, bebida e preparo dos alimentos, higiene pessoal, limpeza da habitação, irrigação de jardins, e pequenas hortas, criação de animais domésticos, etc) e público (moradias, escolas, hospitais, irrigação de parques e jardins, limpeza das ruas, combate a incendio, etc)

Industrial - como matéria prima, na produção de alimentos e produtos farmaceuticos, gelo, etc, em atividades industriais onde a água é utilizada para refrigeração, como na metalurgia, para lavagem na produção do papel, tecido, abatedouros e matadouros, etc e em atividades que é utilizada para a fabricação de vapor.

Comercial - em escritórios, oficinas, centros comerciais e lojas, bares, restaurantes, etc.

Agrícola e Pecuário - na irrigação dos produtos alimentícios, para tratamento dos animais, lavagem de instalaçoes, máquinas, etc.

Recreacional - em atividades de lazer, turismo e sócio econômicos, nas piscinas, lagos, parques, rios, etc.

Geração de energia elétrica - na produção de energia através de derivação das águas de seu curso natural.

Saneamento - na diluição e tratamento de efluentes.

Ameaças a água

Escassez - o desenvolvimento desordenado das cidades, aliado a ocupação de áreas de mananciais e ao crescimento populacional, provoca o esgotamento das reservas naturais de água e obriga as populaçoes a buscar fontes de captação cada vez mais distantes. A escassez é resultado do consumo cada vez maior, do mau uso dos recursos naturais, do desmatamento, da poluição, do desperdício, da falta de políticas públicas que estimulem o uso sustentável, a participação da sociedade e a educação ambiental.

Desperdício - resultado da má utilização da água e da falta de educação sanitária. O desconhecimento, a falta de orientação e informação aos cidadãos são os principais fatores que levam ao desperdício, que ocorre, na maioria das vezes, nos usos domésticos, ou seja, na nossa própria casa. Existem também as perdas decorrentes da deficiencia técnica e administrativa dos serviços de abastecimento de água, provocadas por exemplo, por vazamentos e rompimentos de redes. Essas perdas também se devem a falta de investimentos em programas de reutilização da água para fins industriais e comerciais, pois água tratada, depois de utilizada, é devolvida aos rios sem tratamento, em forma de efluentes, esgotos e, portanto, poluída.

Má utilização - uma das atividades que mais desperdiça água é a irrigação por canais ou por aspersão, em decorrencia de métodos ultrapassados e ineficientes. O não reuso da água para atividades industriais também é outro exemplo que mais se relaciona ao desperdício é a falta de políticas públicas eficientes de controle e gestão.

Desmatamento - em áreas de mata ciliar (Mata estreita que acompanha os cursos d´água), que protege as margens dos rios, lagos e nascentes, provoca sérios problemas de assoreamento dos corpos de água, carregamento de materiais e resíduos que comprometam a qualidade das águas. Nas áreas de nascentes e cabeceiras, o desmatamento acarreta o progressivo desaparecimento do manancial. Sem cobertura vegetal e proteção das raízes da árvores, as margens dos corpos d'água desbarrancam ocasionando o transbordamento, enchentes e o desvio do curso natural das águas.

Poluição - Durante séculos o homem utilizou os rios como receptores dos esgotos das cidades e dos efluentes industriais que reúnem grande volume de produtos tóxicos e metais pesados. Essa prática resultou na morte de enormes e importantes rios.

Além da poluição direta, por lançamento de esgotos, falta de sistemas de tratamento de efluentes e saneamento, há a chamada poluição difusa, que ocorre com o arrasto de lixo, resíduos e diversos tipos de materiais sólidos que são levados aos rios com a enxurrada.

Ao "lavar a atmosfera", a chuva também traz poeira e gases aos corpos d'água. Nas zonas rurais, os maiores viloes da água são os agrotóxicos utilizados nas lavouras, seguidos do lixo que é jogado nas águas e nas margens de rios e lagos, além das atividades pecuárias como a suinocultura, esterqueiras e currais, construídos próximos aos corpos de água. Há ainda os acidentes com transporte de cargas de resíduos perigosos e tóxicos, rompimento de adutoras de petróleo, óleo, de redes de esgoto e ligaçoes clandestinas. Em algumas regioes, as fossas negras e os lixoes podem contaminar os lençóis de água subterrânea.